Parafernalhas é tudo que você imagina, desde as coisas mais antigas até as novidades. Então, sou música, notícias, moda, viagens, emoções, pensamentos, cinema...... e até aquela receita básica.

25 de agosto de 2013

Um Jardim...



Achei essa ideia muito legal e resolvi compartilhar com vocês, primeiro porque sou amante de plantas em suas variadas formas. Então hoje vou postar como ter um jardim fácil de cuidar, que cabe em qualquer cantinho especial.

Plantas e musgos em vidros formam o terrário, jardim que dispensa cuidado

Eles mexem com a imaginação porque parecem um resumo da natureza, que você observa de cima, como se fosse um gigante. “Terrários podem ser feitos em qualquer tipo de vaso desde que seja transparente”, afirma o engenheiro florestal e paisagista Thiago André. Essas paisagens em miniatura também são uma ótima ideia para quem vive em espaços pequenos e deseja resgatar a proximidade com o verde. Bem feito e bem cuidado, um terrário dura anos. “Procuro usar plantas com necessidades de manutenção parecidas. O melhor é que tenham folhas pequenas e crescimento lento”, explica o paisagista.

O Terrário feito por Thiago André num vaso da Uemura Flores e Plantas (49 cm de diâmetro)


Mundos particulares de uma artista

Nos terrários da artista plástica Vivian Kass, surgem cenas fabulosas povoadas por bichos de plástico, bonecas e caveiras garimpados pela cidade. “Compro muita bugigangae trago para o ateliê. Uso em meu trabalho coisas com as quais convivo”, conta. Com as espécies, não é diferente: a maior parte vem de seu quintal. “Pego plantas da rua também. Adoro um musgo de calçada.” Uma particularidade dos terrários de Vivian é que todos têm tampa – ela monta os microambientes, rega e, depois que os fecha, raramente volta a abri-los. “O processo natural é bem-vindo. Às vezes, uma planta morre. Em outras, nascem musgos, ervas daninhas, fungos.”
Lacrados, os terrários criados por Vivian Kass crescem intocados e obedecem aos desejos da natureza.

Como fazer?




Faça uma viagem em sua imaginação...Divirta-se!



























15 de agosto de 2013

DIA DO SOLTEIRO


Eu prefiro dizer que dia do solteiro (a ) são todos os dias, assim como o dia do mal amado (a), dos Ricardões da vida, dos casais perfeitos...Enfim todo dia é nosso. Mas vamos falar sobre o assunto do dia, né? Selecionei um texto para vocês, me digam: Você é feliz sendo solteiro (a)? Você é feliz sendo comprometido (a)? Deixa aí nos comentários, vamos trocar ideias! :)

O Dia do Solteiro é comemorado nesta quinta-feira (15). E é comum que algumas dessas pessoas se queixem da solidão. Para muita gente, estar sem um par pode ser visto como sinal de fracasso pessoal, dando início a todos aqueles pensamentos de que o amor verdadeiro nunca será encontrado. O que muitas pessoas não percebem é que o mesmo sentimento de solidão pode surgir quando a vida amorosa já existe. As brigas e desentendimentos desnecessários acabam distanciando o casal, que passa a se sentir infeliz e, consequentemente, solitário.
Segundo a psicóloga Marianna Protázio, muitas pessoas já crescem com ideias sobre o que devem ser ou evitar quando atingirem a idade adulta, e um envolvimento sério com alguém faz parte dessas necessidades. "Muitas pessoas buscam desde cedo ter alguém ao lado, que possam romanticamente chamar de sua", afirma a especialista.
O incentivo para que as pessoas se relacionem também é exercido pela mídia, que reafirma a ideia de que estar em um relacionamento é algo necessário. Para a psicoterapeuta holística Celia Lima, essa influência por parte das músicas, filmes e programas de TV pode ter efeitos negativos.
"O apelo midiático muitas vezes influencia esse desejo de se relacionar, fazendo parecer que quem não está comprometido é portador de algum defeito. Não há nada de errado em estar sozinho, quando reconhecemos que nossa própria companhia é uma boa opção enquanto não encontramos alguém que nos inspire". ( Célia Lima  - Psicoterapeuta )
SOLTEIROS DEVEM TIRAR PROVEITO DO TEMPO
Se você costuma se sentir sozinho com frequência ou alimentar o pensamento de que os solteiros estão longe de encontrar um grande amor, Celia sugere mudar o foco e começar a pensar que existem muitas pessoas com quem se relacionar.
"A vida é feita de inúmeras possibilidades do exercício de amar e isso não se resume em um companheiro ou companheira. O tempo se encarrega de curar muitas dores. Se a pessoa cuidar bem dos outros setores da vida, quando ela menos esperar pode se ver novamente capturada pelo amor", garante Celia.
Marianna também acredita que o tempo pode ser um fator importante na vida dos solteiros, já que ele ajuda a curar as almas feridas por relacionamentos que não deram certo. "Esse tempo, cronológico e psicológico, irá ajudar a reorganizar os sentimentos, desde que a pessoa esteja disposta a compreender o que passou, e que perdoe os limites do seu último relacionamento e os seus próprios limites. É preciso aceitar que quanto mais o ser humano trabalha o seu mundo interior, mais estará disponível para os bons presentes recebidos na vida", afirma a psicoterapeuta.
DAR ATENÇÃO PARA PROJETOS PESSOAIS AJUDA A SUBLIMAR SOLIDÃO
Para driblar a solidão, algumas pessoas optam reatar antigos relacionamentos ou emendar uma relação na outra somente para preencher o vazio interior. Este comportamento, mesmo que aparentemente inofensivo, pode identificar uma falta de maturidade emocional e de respeito para consigo mesmo.
"Quem não dá um tempo entre uma relação e outra não se permite entrar em contato com os próprios sentimentos, não vivencia o luto necessário do fim de um relacionamento. O ideal é que a pessoa aprenda a se namorar, a se agradar e a se valorizar para que as próximas escolhas sejam mais sensatas, maduras e provavelmente duradouras".
A especialista ainda acredita que compreender que a vida é feita de outras realizações além do sucesso no campo amoroso pode ajudar a afastar o sentimento de impotência e solidão. "Podemos nos sustentar sobre diversos pilares, sejam eles afetivos, profissionais, religiosos ou familiares. Se nos apoiamos somente em um, sempre nos sentiremos à deriva quando essa estrutura for abalada. A vida, afinal, não é feita apenas de relacionamentos afetivos, embora esse seja também um aspecto complementar para a satisfação e realização do indivíduo", esclarece Celia.
Investir em um projeto pessoal, como uma viagem ou um curso que está nos planos há muito tempo têm grandes chances de fazer muito bem à mente. Marianna afirma que quanto mais próxima uma pessoa estiver de sua realização pessoal, mais irá atrair pessoas e relações construtivas, sejam elas de amor ou não.
SOLIDÃO A DOIS
Mesmo que o conceito de solidão esteja naturalmente atrelado às pessoas que estão sozinhas, o sentimento também pode surgir na vida a dois. Isso acontece quando já não há mais a cumplicidade de antes e os momentos especiais estão em falta. Na opinião de Celia, o ideal neste caso é abrir-se com a pessoa amada e ser sincero sobre o que está acontecendo.
"Recorrer ao diálogo com a pessoa parceira é uma boa medida, até mesmo para identificar a origem desse estado solitário. Mas se o sentimento de solidão for crônico, o ideal é recorrer à ajuda profissional", pondera a psicoterapeuta.
 O autoconhecimento é a chave para uma vida mais feliz, seja com ou sem uma pessoa ao lado. "Busque saber o que você gosta de fazer, quais esportes gostaria de praticar, o que gostaria de aprender, quais são os seus hobbys e o que lhe faz sorrir. Busque aproximar-se também da arte e da natureza. Lembre-se: quanto mais você se fortalecer, menos vazio e solidão sentirá".
Fonte: Personare
PARA CONTINUAR REFLETINDO SOBRE O TEMA
Alexey Dodsworth, autor do livro "Os seis caminhos do amor", fará uma palestra gratuita em SP, no dia 29 de agosto, às 19h30, sobre as faces do amor. Na ocasião, o especialista ajudará você a trilhar sua história amorosa sem objetivos inalcançáveis. O evento ocorrerá na livraria Saraiva do Morumbi Shopping, localizada na Av. Roque Petroni Jr, 1089 - Morumbi (SP).